sábado, 15 de setembro de 2007

Munique


Lembro-me de uma noite com o Lobito, o Paulo Franco e o Gonçalo Marcelo, acabámos a noite na Cervejaria Munique (ainda), no Areeiro. Quando resolvemos voltar para casa, ninguém tinha carro, fomos para a paragem do 19 junto às bombas da BP. Já estavamos fartos de esperar, por uma questão de principio não se gastava dinheiro em taxis, aparece uma motinha que para ao nosso lado. Era o Nuno Pais com a sua casal de duas velocidades, tinha estado no Pote e voltava a casa. Depois de alguma negociação, para escolhermos os lugares (a boleia em si nunca esteve em causa), lá nos organizamos. O Paulo (o mais forte) no lugar do condutor, o Gonçalo (o 2º mais forte) à pendura, o Nuno Pais em cima do depósito a conduzir, o Lobito aos ombros do Paulo e eu (o 2º mais leve), em cima do farol traseiro com as mãos nos ombros do GM. E não é que o raio da mota nos levou até aos Olivais. Custou um pouco a fazer a subida do Relógio, à mota e a mim também. O Gonçalo teve de me agarrar as mãos que já não tinha força para me segurar. E pensar que o Nuno queria subir pelo Valsassina, que ela aguentava, subia tudo! Tá bem tá!

3 comentários:

Manica disse...

...mas isto é uma história da Munique ou de motos e pessoal alterado por excesso de álcool?

Lobito disse...

apenas uma de muitas, de uma infância bem vivida

joão belo disse...

infância?! :)