terça-feira, 23 de outubro de 2007

A casa das paredes de nós

Aquela era a nossa casa, o lugar onde nos sentíamos bem, onde entrávamos sem justificação, onde nos deixávamos estar nas eternidades que couberam nos nossos vinte anos. Ficava na praceta aleixo corte real, no rés do chão, e marcou o período da minha segunda relação afectiva com o bairro, já depois de ter ido fazer um curso de teatro que mudou radicalmente a minha relação com a vida, com os outros. Aquela casa não era um lugar deste mundo. Ficava na fronteira entre um lugar imaginado e um lugar real. Podiamos escrever nas suas paredes. Podiamos chorar, rir, fazer teatro, tocar. O primeiro concerto dos Grajaú, com o Abílio Viegas, o Fernando Guê, o Ruca e o Pedro Queiróz (o dono da casa) foi lá. Era lá que nos juntávamos os do bairro, os que vinham do teatro, os que vinham da música, os das ganzas. E por vezes ficávamos a dormir quando nos chateávamos com a realidade. Ou ela connosco. Ou simplesmente, quando esse desejo de ser grupo nos atravessava. Viéssemos de onde viéssemos era por lá que passávamos. Tocávamos à campainha, alguém, nunca o mesmo, abria a porta. E se era hora do jantar íamos buscar mais um prato. E depois lavávamos a louça. Era a nossa casa. Podíamos escrever nas paredes, sempre que digo isto preciso de repetir, as paredes estavam cheias dos nossos poemas, das nossas inscrições de juventude a doer. A realidade não era especialmente meiga connosco. Estávamos nos princípios de 1980, a crise, a crise, pá, esta porrâ da crise sobre as nossas vidas, pá, era uma chatice, pá, salários em atraso, desemprego, contratos a prazo, a falta de perspectivas, e ao mesmo tempo este apelo meio subterrâneo ao carpem diem, ao estarmos juntos, as ganzas, as ganzas foram uma merda, um gajo ía comprar um pintor mas depois um pintor já não dava para nada, tinha de ser uma quinhentola, e depois, lembras-te?, a gente ía para fora, para o Guincho, para o Algarve, para Sintra, nos planos da viagem lá estava o chocolate, sem ele até parecia que a festa não se fazia, não acontecia, ó pá o que lixou isto não foi o chocolate, o chocolate era como o da ribeira, uma festa em grupo, a sério, o pior foi a coca, a heroa, a heroa é que veio dar cabo disto tudo, eu já não te podia olhar nos olhos, entendes?
Foram os anos oitenta. É dificil explicar o que foi viver os nossos vinte anos abertos nos anos oitenta. Foi um festim, foi uma festarola, as coisas compuseram-se, endireitaram-se, o mundo tem um corrector ortográfico preso à cintura, mas foi duro, enquanto não se endireitou foi duro para todos nós. Não havia heróis. Foi por isso que construímos por dentro daquelas paredes uma edificação que afinal éramos nós a ressoar com o nosso medo de nos apequenarmos. A casa das paredes de nós era o lugar onde tudo parecia poder reexistir à nossa medida. Onde começámos a falar da arte, a falar da ideia de transformarmos o mundo, a descobrir a nossa sensibilidade, a atenção ao que nos cercava, faziamo-lo com gerações muito diferentes, todos eles eram iguais no escrevinhar nas paredes, hoje é dificil explicar isto. As nossas casas, elas próprias, não nos entenderiam.

22 comentários:

bafatá disse...

E agora ... é suposto dizermos alguma coisa ? Nem dá jeito teclar com um nó na garganta e uma p... duma lágrima nescida sei lá de onde !!!

joão belo disse...

Bafatá: agora digo eu, tu és um piegas do caraças! fuma uma baje que isso passa :)

bafatá disse...

johny belo: piegas ? moi ? dasssssssss ... já nem se pode ser sincerozito .....

PS: duas bages entretanto e lá passou !!

Xai Xai disse...

a verdade é que isto nunca poderá dar merda enquanto este joão belo aqui estiver. de repente chega uma prosa de tal forma bonita e tão cheia de nós que somos invadidos por uma serenidade cúmplice e esmagadora.

Xai Xai disse...

joão belo: então admiras-te que o bafátas se emocione?,
tu acendes... e depois não queres que os outros tb fumem...

joão belo disse...

as bages - termo inventado pelo meu tio - era só para dar emoção! é que gostei muito de uma posta sobre isso num outro lugar! não dá para revelarmos carecas mas tu sabes do que falo. abraço Bafatá

joão belo disse...

e tu xai em duplo, levas com a mesma receita: um grande abraço!

Lobita disse...

alguém falou em abracinhos????

bafatá disse...

lobita ? vai para dentro...

johny belo: parece-me que sabes quem é o xai ... mmmm !!! E sobre as bages e suas origens, tudo bem desde que não revelem identidades de um secretismo inabalável....

Lobita disse...

chuif chuif chuif

Anónimo disse...

sei quem é o xai e sei quem tu és, eheheheh! e tu também saberás quem eu sou se me vires. até já partilhámos sala de aula, vê lá tu (durante pouco tempo, nem eu próprio me lembrava disso)...

lobita, não vás nada...

jb

Lobita disse...

esse bafatá é um bruto. é assim que se fala com uma menina?

Lobita disse...

lágriminha no olho... seu..., seu..., seu...crocodilo!

a rapariga que vinha da província disse...

que dizer, joão belo?

não me posso lembrar dessa casa, mas ao ler-te lembrei-me de um areal e de anseadas de pedra no mar atlântico, a outra casa dentro de mim.

(vá-se-lá saber porquê)

bafatá disse...

lobita: humílimos perdões ...

jb: mesma sala de aula ?? E eras dos que deixava copiar ao menos ??

benguela disse...

(... bufa musical)

Anónimo disse...

O sentido invertido...
Tocou a muito boa gente...esmagador
Os sentidos invertidos com nuances variadas.Quase me engoliram...ELA..
colocou-me onde estou...UNICA em todos os sentidos...(voçês conseguem amolecer um gajo,falo demais)............................
Fim de pista.
No alvo JB!!
Abraços
F100 - Olivais

Anónimo disse...

Bafatã, sorry...Sequência de esquematização..............

Ok! Mais tarde pegamos nas miúdas e
levamo-las a fazer um voo raso ás familias. Vens nessa??
Desta vez até com a bola vão vibrar!! ehehe!!

All ABORD!!
Bita, Usa, Baf.
F100

Anónimo disse...

ESTA ACIMA E DO POST RIVIVER O PASSADO.
(segui instruçoes Add.Cond., funciona?).
Ó BENG.BEI.não melhora com squeeze this please??(RIVIVER O PASSADO).
F100- Olivais

Anónimo disse...

acho que ainda nem havia matéria para copianços, bafatá. mas como eu era sobrinho da professora, talvez não, eheheheh! jb

bafatá disse...

sobrinho da prof ?? ... mmm ... estou a chegar lá !!!

Pedro Queiroz disse...

Porra que só agora me apercebi da existêcia deste local na Rede...
À pois é!...
Nunca fechei a porta. Apenas andei fechado ao Mundo. Mas agora cá estou...
Apareçamos sempre!...