terça-feira, 30 de outubro de 2007

CX



Andava eu no 1º ano do liceu, na secção de Chelas do D.Dinis (ano lectivo 1974-75), quando fui convidado por um colega, que morava na Bafatá, a participar num torneio de futebol.
Não fui o único a ser convidado. Vários colegas meus também foram. Os que jogavam bem à bola e eram simultaneamente bons alunos.

O torneio ia realizar-se num clube que era no Campo Grande.
Clube Xenon era o nome.

Falei nisto aos meus pais que me avisaram das características peculiares desse local.
(...um familiar tinha aí sido "engolido"...)
O meu interesse era mesmo o futebol e por isso lá fui.

O torneio correu bem à minha equipa pois além de termos sido os vencedores também tivemos o melhor marcador.
No final de cada jogo esse colega que me convidou "desaparecia" e, pouco a pouco, todos os elementos da equipa iam sendo "convidados" a juntar-se a ele e a esses momentos de reflexão.
Só no dia da entrega dos prémios é que abertamente me disseram que poderia ir rezar juntamente com os outros. "Vim só para jogar futebol" foi a minha resposta, que nunca fui dado a rezas.

Acho que perdi a oportunidade de uma grande carreira no bcp...

12 comentários:

Beira disse...

Só me baldei a um jogo que estava marcado para o dia 11 de Março...

joão belo disse...

a minha mãe queria que eu fosse fazer-me gente lá para os lados do campo grande. cheguei a lá ir uma vez mas percebi que não me iria sentir bem lá e troquei o Xénon pelas tardes passadas a remar no lago ou a ir ao cinema caleidoscópio.

joão belo disse...

eheheheh! afinal já nos cruzamos e desde há muito. eu também andei aí nesse ano. nunca me esqueço, fizémos uma casa na árvore em frente, do outro lado do caminho (não sei se já era estrada) que durou até ao Natal. Depois vieram as férias e alguém estragou a casa toda. E lembro-me dos grandes piqueniques que fazíamos no campo em frente quando tinhamos aulas da parte da tarde. Ou de ir até ao D. Dinis, às RGAs. Pois é, eu era da UEC. E foi aí que aprendi a fumar, a engolir para dentro, o célebre 2002 control. É pá ajudem-me, fiquei preso nesta caixinha do tempo, lol...





[ok, tudo bem, consegui sair...ufa]

Beira disse...

Não sei se realizaram mais torneios de futebol mas eu não voltei a ser convidado.

Deve ter sido por não me benzer ao entrar em campo...

a rapariga que vinha da província disse...

e foi assim que se perdeu mais uma vida de castidade, eh,eh..

bafatá disse...

Bem joguei lá, fiz judo por lá... e de rezas estamos falados !!

Xai Xai disse...

eu tenho conta no BPI...
também serve?

Timor disse...

E fizeram bem em resistir rapazes. Um dia dei uma estalada numa dessa organização pois resolveu que a melhor maneira de me convencer era dizer mal das guias. Não sou muito de estaladas, mas aquela foi bem pregada. E até toquei guitarra na igreja dos Olivais uma vez ou duas (o que confirma a boa natureza daquelas almas caridosas tal era a falta de jeito).

Xai Xai disse...

timor: como já te disse tenhos 2 filhas nas guias.

para além dos concertos também andarão por aí a distribuir estalos (justos, claro)?

olha que se a resposta for positiva, passam a ir todos os dias...

Beira disse...

...ou então usa o Zacarias como "baby-sitter" que elas vêm de lá prontas a defrontar qualquer Myke Tyson que se lhes atravesse no caminho.

Beira disse...

Então Bafatá,

"speechless" ou "low profile"?

Também assinaste um acordo de confidencialidade com a Obra?

Não nos contas nada dos bastidores?

...

E da Maçonaria, não há ninguém da Maçonaria?

Timor disse...

Xai, estão bem entregues. As guias foram um dos pilares mais sólidos da minha formação.

Aprendi a força dos princípios, solidariedade, compaixão, partilha, a importância do grupo, resiliência (um estrangeirismo), a não ser piegas e uma série de coisas práticas. Claro, também aprendi muitas destas coisas com os meus pais, irmãos e amigos.

Cá ficou um comentário mais para o sério.