terça-feira, 2 de outubro de 2007

Limpar ferrugem


Cortar uma cebola em metades e esfregar. A ferrugem sairá com facilidade. Quando a cebola estiver suja, cortar uma rodela fina e continuar a esfregar.

7 comentários:

Lourenço Marques disse...

Fantástica dupla!

Não vejo o condutor há uns anos valentes...

a rapariga que vinha da província disse...

benguela: explica lá essa das cebolas, dos vinagres, das batatas, dos grelos, da soda cáustica e dos oleicos, que não se percebe nada!

quanto à dupla na foto... haveria, por certo, muito que contar!

benguela disse...

Rapariga... são receitas perdidas.

benguela disse...

... e é uma tripla, não parece mas está mais uma marmelo dentro do Ami.

Bo Nanza disse...

apreciável ferrugem. e também bela demonstração que havia intelectuais no meio dessa maluquice toda

Fulacunda disse...

Lourenço Marques. o condutor deste bocado de aço ferrugento não é o que está a fazer ... quem está ao volante, mas sim um outro, por acaso um outro Fula também, como julgo que saberás. O que se calhar não saberás era quão exímio ele se mostrava nas artes da condução. Contam os bombeiros da av. rio de janeiro que certo dia, ... bem, o nosso estimado vizinho tinha ido buscar um fato que serviria casamento de então. entre o conduzir - e pois já se sabe que isso não é ocupação para tempo inteiro - e outras variações molengas acabou por se ir entretendo com o dançar do fato que, pendurado no puxador da porta de trás, ia balouçando pelas 4 arestas do retrovisor. E assim seguia, um olho na estrada que até já era demais, e outro no retrovisor a saborear a dança. Admito (isso não ouvi contar) que o rádio tivesse ajudado aquele balanço, mas o que é certo é que por força de dar ritmo ao inanimado fato que lá seguia gingando, e gingando, e gingando, e ****-se o lancil.

...

Num instante se acumularam mirones e bombeiros, e há que chamar a polícia. E nessa azáfama de justificarem o quase impossível nem deram por o n/atrapalhado amigo ter endireitado a viatura e se ter posto na alheta. E assim terá seguido, deixando os mirones discutindo, os que tinham visto teimando para os mais recentes que era possível sim, capotar em plena av. rio de janeiro, e que ainda agora estava aqui o moço, meio apardalado, (arrisco eu presumir assim adjectivado). uma verdadeira lenda do bairro de alvalade

Timor disse...

Que saudades do Nani. E também do intelectual, mas desse vou tendo notícias e ele anda aqui presente sob vários nomes.

Uma das vez que o Nani deu mais gosto à avó, foi quando se mascarou para uma festa com o cabelo penteado para trás com brilhantina e uma camisola de gola alta brilhante (seria prateada?). Estava mesmo bonito.