segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

A Grande Muralha...



antes as hortas que tal sorte...

6 comentários:

joão belo sem login disse...

a arte de escrever com imagens. E o Godinho inspirou-te! ganda post!

maria correia disse...

Pois é, antes a morte que tal sorte...
Ainda ontem passei pelos Olivais, com um olhar mais atento, depois destas conversas por aqui (actualmente, não moro lá)e fiquei estarrecida, pois tinha a memória fresca ainda do post em que se falou das antigas hortas e carreiros...De facto, a Grande MUralha, como muito bem lhe chamou Beira, quase «matou» os Olivais...Céus! Tanto gigantismo, quatro monstros sobranceiros, um trânsito enorme (parece que estamos no centro da cidade, dizíamos nós), um espaço que «poderia ter sido» e não foi espaço algum, mas sim uma ocupação criminosa do espaço, um capitalismo selvagem urbanístico, a destruição do homem...E tive, mais uma vez, saudades de atravessar os carreiros ladeados de hortas e canaviais, de bicicleta...lembro-me ainda, há anos e anos, de se ter falado «ah, acho que vão construir um parque...»Pois sim, foi um parque de estacinamento subterrâneo, isso sim, que alberga os carros de milhares e milhares de pessoas que, a pouco e pouco, se vão esquecendo de que, em tempos, existiam parques...e hortas, pois então...até a pobre Quinta do Contador Mór, agora Bedeteca e quinta pedagógica (palco antigo dos amores de Eduarda e Carlos da Maia)parece reduzida a nada, ela, que foi um dia quase o coração dos Olivais...Ao passar na Av. de Berlim (ah, o 21, av de Berlim), rumo à ponte Vasco da Gama (linda!), fiquei com a sensação: «Mas..onde estão os Olivais?»...

joão belo disse...

subscrevo quase tudo mas eu acho que a bedeteca e a quinta pedagógica qualificam hoje um espaço e um pedaço de terra que antes estava reduzido a quase nada.

maria correia disse...

Tem toda a razão, João Belo, a Quinta Pedagógica e a Bedeteca foram das melhores coisas que se fizeram (ou refizeram) nos OLivais! Claro que qualifica a zona, é útil e bonito! Apenas disse que o antigo palacete, face ao gigantismo das torres da Grande Muralha, quase desparece! Antes, mesmo velho e abandonado, ainda se impunha de alguma forma...Agora, quase passa despercebido...a vista é atraída para a Grande Muralha, infelizmente...E um BRAVO pelo texto que acabou de colocar em post!

Beira disse...

...para não largar o sérgio tenho de passar ao poço da morte...
...ou, por outras palavras, o buraco que acabou com as hortas.

blue disse...

lá falava o Gonçalo Ribeiro Teles das hortas comunitárias. tempos outros que o liberalismo desenfreado fez desaparecer, liberalismo de que este lugar é exemplar.
exemplar na ganância, no oportunismo. como é que foi possível uma coisa assim?