terça-feira, 4 de agosto de 2009

SESIMBRA














Aproveito o embalo imparável do Bolama e carimbo o verão com um “post” de fato de banho e chinelos.
Sempre que o verão reclama as primeiras imperiais, lembro-me invariavelmente de Sesimbra.
Dos 13 aos vinte e poucos anos, era lá que “descansava” da minha (in)actividade escolar. Aliás, sempre me esforcei bastante para que a vida de estudante não fosse demasiado absorvente, de modo a que os 4/5 meses de férias (conquista de Abril que todos muito apreciávamos) fossem suficientes para recuperar energias. Era de tal forma prolongada a nossa estadia por aquelas bandas que contribuíamos para o ferrolhar do verão, ajudando o velho banheiro Jacinto no final da época, a desmontar a praia e a transportar os toldos e cadeiras para o armazém onde repousavam no inverno.


No fim das aulas, a família mudava-se para Sesimbra e iniciava-se o ritual veraneante.
Mas não ia sozinho. Eram muitas as famílias dos Olivais (e de outras paragens também, mas essas não contavam) que o faziam.
Relembrando esses tempos verifico com curiosidade que apesar da distância geográfica o espírito dos Olivais permanecia.
Pela manhã, na praia do Jacinto, um antigo pescador convertido à terciarização, alvo constante da irreverência juvenil (expressão linda para descrever o que lhe fazíamos), iam chegando as famílias com os farnéis preparados para uma jornada completa de sol e mar. Quanto a nós, de chegada mais tardia, ocupávamo-nos em futeboladas ligeiras, campeonatos de frisbee, caça submarina, cartadas e tudo o mais que se faz e não faz, na idade em que o tempo não tem tempo (com “tiradas” destas ainda me arrisco a ser convidado para ghost writer do nosso primeiro ministro quando este resolver escrever as suas Memórias do Cárcere...).
A propósito de caça submarina, recordo um episódio em que andávamos eu e outros oliveiras, perscrutando de arma em riste os mares sesimbrenses em busca de incautos linguados ou chocos distraídos. Naquele dia porém, os marinhos estavam particularmente astutos e não lhes parecia boa ideia passar do estado molhado para o estado grelhado. Decidimos então deslocar-nos para junto das rochas na expectativa de “convencer” algum polvo simpático que por lá andasse dos méritos da vida em terra firme. Debalde…
Um de nós, mais incomodado com o insucesso da pescaria, encontrou, numa subida à superfície para respirar, a solução para a sua frustração.
(façamos uma pausa na nossa empenhada militância em defesa dos animais – não comestíveis, claro…)
Uma pensativa gaivota descansava pacatamente numa rocha quando um arpão de espingarda de caça submarina a atravessou e…

À noite, vivida sempre em bando, “vadiagem” pelas ruas e cafés, como no bairro. Bastante activa e numerosa, era a representação dos Olivais na Confraria do Agrião. Antes da fase “encartada”, contávamos com os prestimosos serviços da empresa de camionagem Covas & Filhos para as nossas deslocações, das poucas que não foi integrada na Roubalheira Nacional, perdão Rodoviária Nacional.

Por lá paravam muitos Bolamas, desde os manos Mateus (disseram-me que são desenhadores num gabinete de arquitectos na Falagueira, mas não confirmei…) até à família “Maracangalha” (sim, também tínhamos amigos cujo pai tinha a sua assinatura nas notas do escudo), passando pelos irmãos Lemos (a um deles, não lhe “perdoo” ter-me iniciados nas visitas à Quinta das Tabuletas, uma semana depois de termos estado juntos um fim de semana em Sesimbra) Lembro-me sempre dele quando oiço dizer que mais vale ser rei por um dia que príncipe a vida toda…. Recordo com estima a família Serôdio, Novos Redondos de boa cepa, com quem partilhei quase todo o meu percurso sesimbrense, e de quem tenho muito boas recordações. Foram muitos aliás, os que partilharam as minhas estórias sesimbrenses e a quem aqui poderia fazer referência.

Da banda sonora destes dias recordo por exemplo os Stones no álbum Tattoo You ou o Patrick Hernandez quando dizia que tinha “nascido para estar vivo”, pensamento que nem a Lili Caneças desdenharia.
por Xai-Xai

13 comentários:

benguela disse...

"tanto cabelo"

Fulacunda disse...

1º) Xaixai, embora o estilo seja inconfundível, importa que aponhas a tua vinheta em fim de texto.

2º) és o olivalense mais sentimental que eu conheço

3º) mas sabes sê-lo com estilo!

cá um abraço pá, e continuação de boas férias

[PS para os administradores(sejam lá eles quem forem): quem é que foi o palhaço lerdo que apagou todos os mails recebidos?]

benguela disse...

[ups! foi sem querer, cum cacete ou dois! já falei com o palhaço e o lerdo diz que não percebeu como aquilo aconteceu... o gaijo pergunta... foi mesmo tudo para o galheiro?]

Fulacunda disse...

tudinho!!! o que havia ou está aqui postado ou está no hiperespaço cibernético.
vida nova ...

benguela disse...

Ora bolas!




"Mas este Texto Belo é um Belo Texto!"

Lili Caneças

Pedro Venâncio disse...

Born To Be Alive de Patrick Hernandez não tem como fan uma qualquer Lili mas sim a verdadeira Madonna, que nele fez coro

a rapariga que vinha da província disse...

um regresso em cheio, Xai-Xai!

xai xai disse...

Fazemos a gestão deste blogue de forma aberta, transparente, blá, blá:

Obg.Bengas por assumires aquilo que sabias não ser tua autoria: o suposto desaparecimento das mensagens que foram enviadas para o "olivamos".

Caros Fula e Bengas
Entrem devagarinho no endereço do "olivamos";
não façam barulho;
olhem de soslaio para a vossa esquerda e quando virem a palavra COLABORAÇÕES, coloquem o cursor às cavalitas da dita cuja e...
PLIM... ESTÁ LÁ TUDO!!!

Sem ser maníaco, gosto de ver a casa arrumada.

benguela disse...

fónix! devia-mos então estar lá os dois ao mesmo tempo! tu a arrumar e eu a desarrumar... porque eu estava a ver aquilo e de repente *puf*, desapareceu tudo!
e fiquei eu a pensar (não muito), que raio de borregada é que tinha feito!?


Fula, és um palhaço!

Fulacunda disse...

Está lá tudo?? afinal eu não tinha razão? o Bengas nem sequer é palhaço???? Demito-me!

Venâncio disse...

grande anarquia

xai xai disse...

anarco, logo existo.

maria correia disse...

Belo texto, vívido!